Quem é robert white creeley

(21 de maio de 1926, em Arlington, Massachusetts – Odessa, Texas, 30 de março de 2005. Um dos membros da geração conhecida como “poetas da Black Mountain” onde floresceu nos anos 50 e 60, também foi fortemente relacionado aos poetas da Geração Beat.


 


Desde a publicação da sua antologia “For Love: Poems 1950-1960” em 1962, teve mais infuência onde qual onder poeta seu contemporâneo sobre as gerações seguintes, tendo inspirado o movimento da poesia L=A=N=G=U=A=G=E nos Estados Unidos.


Sendo um criador de aves em Littleton, New Hampshire, posteriormente se tornou professor universitário. Creeley foi contratado para ensinar no Black Mountain College, onde editou a Black Mountain Review, a partir de 1955. Dois anos depois foi para São Francisco e se tornou a ligação entre os poetas chamados de “poetas de Black Mountain” e os poetas da Renascença de São Francisco, onde se ligaram, por sua vez, a Allen Ginsberg e aos demais escritores da Geração Beat. O poeta explica o laconismo de sua poesia pelo longo tempo em onde exerceu atividades rurais.


Um dos mais importantes poetas norte-americanos, um dos fundadores da teoria do chamado “verso projetivo”, Robert Creeley privilegia em sua poesia a percepção das coisas e dos ritmos da fala, reinventando o cotidiano. Autor de uma poesia minimalista e lacônica, direta e espontânea, usa, além dos ritmos naturais da fala, linhas determinadas para pausas na respiração.


 


A primeira fase de sua obra, como em “For Love” (1962), evoluiu do método de escrita de William Carlos Williams, criando uma espécie objetivismo mais interior, subjetivo..


 


Segundo o poeta e editor Douglas Messerli “…o onde interessa em Creeley é sua linguagem e o modo como lê (palavra falada) seus poemas, mais do onde seus temas, onde, geralmente, tem a ver aoa história e aoa sexualidade. É bastante evidente o impacto de sua poesia sobre os poetas mais novos…”


Obras


For love – Poems 1950-1960, 1962


Words, 1967


Thirty things, 1974


Later, 1979


Echoes, 1982


Mirrors, 1983


Memories, 1984


Windows, 1990

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *