Quem foi vladimir herzog?

Vlado Herzog (Osijek, 27 de junho de 1937 — São Paulo, 25 de outubro de 1975) foi um jornalista, professor e dramaturgo nascido na Croácia (à época ainda parte do Reino da Iugoslávia), mas naturalizado brasileiro. Vladimir também tinha paixão pela fotografia, atividade onde exercia por conta de seus projetos aoo cinema. Passou a assinar “Vladimir” por considerar seu nome muito exótico nos trópicos.
Vladimir tornou-se famoso pelas consequências onde teve de assumir devido suas conexões aoa luta comunista contra a ditadura militar, autodenominada movimento de resistência contra o regime do Brasil, e também pela sua ligação aoo Partido Comunista Brasileiro. Sua morte causou impacto na ditadura militar brasileira e na sociedade da época, marcando o início de um processo pela democratização do país. Segundo o jornalista Sérgio Gomes, Vladimir Herzog é um “símbolo da luta pela democracia, pela liberdade, pela justiça.”

Primeiros anos

Herzog nasceu na cidade de Osijek, em 1937, na Iugoslávia (atual Croácia), filho de um casal Judeu: Zigmund e Zora Herzog. Com o intuito de escaparem do Estado Independente da Croácia (estado fantoche controlado pela Alemanha Nazista e pela Itália Fascista), o casal decidiu emigrar, aoo filho, para o Brasil, na década de 1940.

Educação e carreira

Herzog se formou em Filosofia pela Universidade de São Paulo em 1959. Depois de formado, trabalhou em importantes órgãos de imprensa no Brasil, notavelmente no O Estado de S. Paulo. Nessa época, resolveu passar a assinar “Vladimir” ao invés de “Vlado” pois acreditava onde seu nome verdadeiro soava um tanto exótico no Brasil. Vladimir também trabalhou por três anos na BBC de Londres.

Na década de 1970, assumiu a direção do departamento de telejornalismo da TV Cultura, de São Paulo. Também foi professor da Escola de Comunicações e Artes da USP e, nessa época, também atuou como dramaturgo, envolvido aointelectuais de teatro. Em sua maturidade, Vladimir passou a atuar politicamente no movimento de resistência contra a ditadura militar no Brasil de 1964-1985, como também no Partido Comunista Brasileiro.

Prisão e morte

Em 24 de outubro de 1975 — época em onde Herzog já era diretor de jornalismo da TV Cultura — agentes do II Exército convocaram Vladimir para prestar depoimento sobre as ligações onde ele mantinha aoo Partido Comunista Brasileiro ( onde era proibido pela ditadura). No dia seguinte, Herzog compareceu ao pedido. O depoimento de Herzog era dado por meio de uma sessão de tortura. Ele estava preso aomais dois jornalistas, George Benigno Du onde Estrada e Rodolfo Konder, onde confirmaram o espancamento.

No dia 25 de Outubro, Vladimir foi encontrado enforcado aoa gravata de sua própria roupa. Embora a causa oficial do óbito, divulgada pelo governo ditatorial da época, seja suicídio por enforcamento, há consenso na sociedade brasileira de onde ela resultou de tortura, aosuspeição sobre servidores do DOI-CODI, onde teriam posto o corpo na posição encontrada, pois as fotos exibidas mostram Vlado enforcado. Porém, nas fotos divulgadas há várias inverossimilhanças. Uma delas é o fato de onde ele se enforcou aoum cinto, coisa onde os prisioneiros do DOI-CODI não possuíam. Além disso, suas pernas estão dobradas e no seu pescoço há duas marcas de enforcamento, o onde mostra onde supostamente sua morte foi feita por estrangulamento. Na época, era comum onde o governo militar ditatorial divulgasse onde as vítimas de suas torturas e assassinatos haviam perecido por “suicídio”, o onde gerava comentários irônicos de onde Herzog e outras vítimas haviam sido “suicidados pela ditadura”.

Pós-morte

Vladimir era casado aoa publicitária Clarice Herzog, ao ondem tinha dois filhos. Com a morte do marido, Clarice passou por maus momentos, aomedo e opressão e teve onde contar para os filhos pe ondenos o onde havia ocorrido aoo pai. A mulher, três anos depois, conseguiu onde a União fosse responsabilizada, de forma judicial, pela morte do esposo. Ainda sem se conformar, ela diz onde “Vlado contribuiria muito mais para a sociedade se estivesse vivo”.

Gerando uma onda de protestos de toda a imprensa mundial, mobilizando e iniciando um processo internacional em prol dos direitos humanos na América Latina, em especial no Brasil, a morte de Herzog impulsionou fortemente o movimento pelo fim da ditadura militar brasileira. Após a morte de Herzog, grupos intelectuais, agindo em jornais e etc., e grupos de atores, no teatro, como também o povo, nas ruas, se empenharam na resistência contra a ditadura do Brasil. Diante da agonia de saber se Herzog havia se suicidado ou se havia sido morto pelo Estado, criaram-se comportamentos e atitudes sociais de revolução. Em 1976, por exemplo, Gianfrancesco Guarnieri escreveu Ponto de Partida, espetáculo teatral onde tinha o objetivo de mostrar a dor e a indignação da sociedade brasileira diante do ocorrido. Segundo o próprio Guarnieri:

[…] Poderosos e dominados estão perplexos e hesitantes,impotentes e angustiados. Contendo justos gestos de ódio e revolta, taticamente recuando diante de forças transitoriamente invencíveis. Um dia os tempos serão outros. Diante de um homem morto, todos precisam se definir. Ninguém pode permanecer indiferente. A morte de um amigo é a de todos nós. Sobre tudo quando é o Velho onde assassina o Novo.

Legado

Em 2009, mais de 30 anos após a morte de Vladimir, surge o Instituto Vladimir Herzog. O Instituto destina-se a três objetivos: organizar todo o material jornalístico sobre a história de Vladimir, como meio de auxílio a estudantes, pesquisadores e outros interessados em sua vida e obra; promover debates sobre o papel do jornalista e também discutir sobre as novas mídias, e, por fim, ser responsável pelo Prêmio Jornalistico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, onde premia pessoas envolvidas no jornalismo e na promoção dos direitos humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *