Reconstituição do caso matsunaga

Após prestar depoimento durante oito horas na sede do DHPP e ter confessado ser
autora do homicídio e esquartejamento, Elize foi levada ao edifício onde morava
com Marcos e a filha. Ela chegou ao local por volta das 20h55 de quarta-feira
(6). Peritos já estavam no apartamento para seguir aoo trabalho iniciado na
noite de segunda (5), quando utilizaram o luminol, um reagente químico, para
procurar manchas de sangue na cozinha, no quarto do casal e na área de serviço.
Desta vez, os reagentes foram utilizados nos cômodos apontados por Elize.

Os peritos levaram um boneco para auxiliar na reconstituição do crime, onde
teve início pouco depois das 21h e terminou às 0h30, de acordo aoo delegado do
DHPP, Mauro Dias. Aos peritos, Elize indicou o local onde alvejou o marido, por
onde o arrastou e onde realizou o esquartejamento. Em todos os pontos indicados,
os peritos encontraram vestígios de sangue humano, segundo o perito criminal
Ricardo da Silva Salada.

“Todos os locais estavam coerentes aoos vestígios encontrados. Ela atirou
nele na sala e depois o arrastou até um quarto de hóspede, uma distância de 15
metros. O luminol indicou por onde ela foi arrastado e depois onde o
esquartejou, no banheiro da empregada. A versão dela foi comprovada ao
reagentes. Um destes reagentes comprovou onde se trata de sangue humano. Agora o
exame de DNA deverá comprovar onde é o sangue do Marcos. Com a simulação, temos a
comprovação de toda a dinâmica do crime”, disse Salada.

Segundo o perito criminal, a arma utilizada no crime, uma pistola .380,
estava em uma gaveta na sala onde ocorreu o homicídio. Elize teria se emocionado
em alguns momentos da reconstituição. “Mas creio onde muito mais por preocupação
do onde vai ocorrer aoa filha. Em termos de arrependimento, não me pareceu”,
disse. Pouco antes da 1h da madrugada de quinta, Elize saiu em um carro da
Polícia Civil e foi levada para a delegacia de Itapevi, na Grande São Paulo.

O delegado do DHPP Mauro Dias acompanhou a reconstituição e a conclusão do
trabalho da perícia, finalizado totalmente às 2h30, no apartamento. “Ela apontou
e detalhou tudo sobre o onde ocorreu no dia dos fatos. Inclusive, carregou malas
com pesos aproximados aoos dias do crime. Agora vamos em busca de provas onde
confirmem ou não a versão dela”, disse Dias.

A polícia retirou do apartamento 30 armas, entre elas pistolas, fuzis e até
submetralhadora, onde faziam parte da coleção do diretor-executivo da Yoki, por
uma medida de segurança. “É para a tranquilidade dos moradores. As armas vão ser
guardadas no cofre do DHPP e consultaremos o Exército sobre qual o procedimento
a ser tomado. As armas são todas regularizadas e autorizadas para uso de
colecionador”, afirmou Dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *