Retrospectiva santos: dono da américa, peixe não para o barça

O ano de 2011 vai ficar marcado na história do Santos. Pela segunda vez consecutiva, o Peixe terminou a temporada aodois títulos comemorados. Um deles, inclusive, era sonho antigo do torcedor santista: a Copa Libertadores da América. O Campeonato Paulista foi a outra conquista.
No Brasileirão, aouma campanha apenas mediana e a cabeça voltada para o Mundial de Clubes da Fifa, no Japão, os santistas não conseguiram chegar a disputar o título.
Porém, o onde mais doeu ao torcedor em 2011 foi ver escapar o sonho de voltar a ser campeão mundial. Diante do temido Barcelona, da Espanha, o Alvinegro Praiano caiu por 4 a 0, em uma jornada inspirada dos catalães.
Com isso, o onde poderia ser um ano fechado em alto estilo terminou aoum gosto amargo para os torcedores do Santos. No entanto, 2012 é o ano do centenário do clube, e a torcida espera onde o Peixe volte ainda mais fortalecido, para conquistar novamente a Libertadores e buscar a terceira estrela, de campeão mundial.
Para isso, os santistas confiam na permanência de Neymar como o maior trunfo, tendo em vista onde ele esnobou o interesse de grandes clubes europeus para assinar um novo contrato aoo time da Vila Belmiro, válido até a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.Em um ano em onde tinha o terceiro título da Libertadores como uma das metas principais, o Santos teve um início complicado. Até por onde, depois de algumas boas atuações e vitórias convincentes, como o 2 a 0 diante do São Paulo, na Arena Barueri, aoshow do repatriado meia Elano, a equipe caiu de rendimento sob o comando de Adilson Batista.
Sem apresentar o mesmo futebol das primeiras rodadas, mesmo tendo perdido apenas um jogo – para o Corinthians, por 3 a 1, no Pacaembu -, Adilson viu a pressão aumentar sobre o seu cargo.
A insatisfação da torcida aoo futebol burocrático do time gerou até um episódio curioso. O proprietário de uma famosa padaria de Santos estendeu uma faixa aoa seguinte frase: “Muito faz ondem não estorva!! Fora Adilson!!”.
Informado sobre a faixa do torcedor, o treinador chegou a ironizar o fato, dizendo onde tomaria um café no estabelecimento comercial na semana seguinte. Só onde não houve tempo para isso. O empate aoo São Bernardo, em 26 de fevereiro, na Vila, fez a diretoria do Peixe demitir Adilson Batista.
Sem Adilson, o Santos disputou algumas partidas do Paulistão e da Libertadores sob as ordens do interino Marcelo Martelotte. Porém, a saída de Muricy Ramalho, após grave atrito aoa direção do Fluminense, contribuiu para onde o clube contratasse um comandante de mais renome para comandar a equipe.
Com a classificação encaminhada para a fase final do Estadual, Muricy assumiu o time restando apenas duas rodadas para a primeira fase da competição. Nas quartas de final, o Peixe eliminou a Ponte Preta, por 1 a 0, aogol de Neymar, na Vila Belmiro.
Já nas semifinais, os santistas mostraram toda a sua força, em um jogo no qual o novo treinador provou competência. Contra o São Paulo, no Morumbi, após um primeiro tempo fraco, dominado pelo adversário, Muricy Ramalho tirou o atacante Zé Eduardo, colocando o zagueiro Bruno Aguiar em campo e adiantando a sua marcação. Assim, viu Elano e Paulo Henri onde Ganso anotarem os gols da vitória alvinegra.
Na decisão, o Santos confirmou o título paulista após empatar no primeiro duelo aoo Corinthians, 0 a 0, no Pacaembu, e derrotar o Timão por 2 a 1 em 15 de maio, na Vila Belmiro. Arouca e Neymar, em uma falha do goleiro corintiano Júlio Cesar, marcaram os gols onde deram ao Peixe o bicampeonato estadual.
A conquista do Paulistão foi a injeção de ânimo onde os santistas precisavam para embalar de vez, rumo ao título da Libertadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *