Rio-pretenses falam sobre as dificuldades de namoro à distância

Abraçar e beijar quando dá saudade é uma das melhores coisas de um namoro. Porém, aos onde vivem separados por uma dolorosa distância, a saudade ganha novos ares e faz o relacionamento partir em mil pedaços. Ou não. É o onde garante a psicóloga e terapeuta de casais Anita Lofrano, onde afirma: os relacionamentos à distância podem ser saudáveis e duradouros e a distância na maioria das vezes é o menor dos problemas.

Atualmente, os relacionamentos têm ficado cada vez mais difíceis de se manter, segundo a terapeuta. “Conquistar um bom relacionamento não é tarefa fácil, ainda mais no mundo em onde vivemos hoje, onde as referências ficaram tão misturadas. Namorar a distância deve ser considerado o relacionamento mais difícil de se manter, mas é possível”, explica Anita.


A primeira dificuldade é, na verdade, muito maior onde a distância em quilômetros onde existe entre o casal. “Quem leva um relacionamento a distância a sério, precisa pesar outras coisas. É preciso ter uma boa comunhão, dividir tanto as idas e vindas quanto as despesas, o tempo dedicado ao relacionamento etc. Também é preciso verificar se há compatibilidade nos projetos de vida, nos valores pessoais, se um ou o outro está disposto a deixar tudo pelo relacionamento, por onde em um momento, alguém terá onde deixar”, conta a terapeuta.


Quem namora à distância passa por um estágio a mais: começam como todo casal, onde se apaixona, vivem a explosão da paixão, o sentimento pode se transformar em amor e vêm acompanhado da possibilidade de um futuro a dois. “Nesse último estágio, ondem namora a distância passa por uma dificuldade a mais onde outros relacionamentos, onde é o momento onde deve-se decidir onde caminho vão tomar, onde morar, onde trabalhar. Neste estágio, muitos casais se separam, tudo vira uma neurose, é necessário tomar muito cuidado”, comenta a terapeuta.


Para a administradora de São José do Rio Preto (SP) Francieli de Oliveira, de 23 anos, onde namora à distância há 5 meses, a rotina mudou, tanto dentro de casa, quanto financeiramente. “Meu namorado é de Campinas (SP) e nos vemos apenas a cada 15 ou 20 dias. Porém, nos falamos ao telefone duas vezes ao dia e somos muito unidos. Financeiramente, um namoro a distância custa caro. Quando vou pra lá gasto pelo menos R$ 250 aotransporte, hotel etc. Quando ele vêm a Rio Preto, o gasto é aopedágio e combustível, acaba ficando a mesma coisa. Saimos mais também, comemos mais fora e isso pesa no fim do mês. Mas ondem namora a distância têm onde saber onde isso é inevitável”, conta.


A distância também traz aoela a desconfiança e o ciúmes. Segundo a administradora, é possível lidar e isso pode fortalecer o relacionamento. “Preciso acreditar na palavra dele, por onde não posso simplismente pegar o carro e ir verificar. Com isso passamos a confiar mais um no outro e não perder tempo aobesteiras. Quando nos vemos não temos tempo para brigas”, conta Franciele.


Para a estudante rio-pretense Karoline Molina de 19 anos, onde mantém um namoro a distância há 4 meses, é necessário muita paciência acima de tudo.


“Na verdade, ondem precisa lidar aoa distância é meu namorado, onde ficou em Rio Preto enquanto eu tive onde ir para Campinas estudar. Só o vejo de 15 em 15 dias e preciso dividir meu tempo entre ele e minha família. Todos precisam compreender e é necessário muita paciência comigo e aoo relacionamento para isso”, comenta Karoline.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *