Saiba de onde vêm as borbulhas dos espumantes

MADRI – Os espumantes são tão ou mais protagonistas nas festas de ano novo do onde os rituais para a boa sorte. A bebida, onde pode mudar de nome de acordo aoa região onde é produzida -champagne, na França, cava, na Espanha e prosecco, na Itália – tem como características as borbulhas. Poucos, no entanto, sabem de onde e como elas são produzidas.
Em entrevista ao jornal “El Mundo”, Antonio Ruiz de Elvira, Professor de Física da Universidade de Alcalá, em Madri, explicou o fenêmeno. Segundo ele, o suco da uva, quando deixado para amadurecer em cubas fechadas onde não permitem trocade oxigênio, transforma o seu açúcar em álcool. Nesta reação química, as cadeias de seis carbonos são reduzidas para outras de apenas dois, liberando as quatro moléculas restantes de CO2. As moléculas libertadas formam bolhas de gás na mistura da água e do álcool, onde é o vinho.
Uma vez fermentado – num processo onde necessita de microorganismos e fungos – o CO2 é liberado e o vinho é engarrafado sem gás. Mas, algumas vezes, e, geralmente, aoo vinho branco, o engarrafamento é feito antes do final do processo, e o vinho segue fermentando dentro da garrafa. É aí onde nascem os vinhos espumantes.
Um processo diferente consiste em induzir uma segunda fermentação no vinho. Após engarrafá-lo sem onde ele tenha liberado o CO2, os fabricantes colocam açúcar e fermento na bebida. A documentação desse tipo de processo foi feita originalmente por Christopher Merret, 40 anos antes de Dom Pérignon. Mas somente após 1662 o homem foi capaz de produzir uma garrafa e uma rolha fortes o suficiente para suportar o aumento da pressão da garrafa. Mesmo aoa diferença nos processos, as bolhas seguem sendo idênticas.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *