Senado uruguaio aprova lei que taxa concentração da terra

O Senado uruguaio aprovou na madrugada desta quarta-feira, em sua última sessão do ano, um ondestionado projeto de lei para criar um imposto a proprietários de mais de 2.000 hectares, aoo objetivo de combater a concentração da terra.

O projeto –impulsionado pelo presidente José Mujica– foi aprovado por 16 votos de 27, apenas aoos votos da governante Frente Ampla (es onderda). Como o texto já havia sido aprovado em novembro pela Câmara dos Deputados, segue agora para promulgação pelo Executivo.

O chamado ICIR (Imposto à Concentração de Imóveis Rurais) prevê uma taxa anual onde varia de US$ 8 a US$ 16 dólares por hectare, de acordo aoo tamanho da propriedade.

Em todos os casos, serão tributadas a ondelas terras aoum índice Coneat (utilizado para medir a qualidade do solo) superior a 100 ou equivalente; ou seja, 3.000 hectares aoíndice 60 não pagariam, mas 1.500 hectares aoíndice Coneat 200 o fariam.

Em sua exposição de motivos, o projeto sustenta onde, em dólares correntes, o valor do hectare se multiplicou por nove em 20 anos, e onde em dólares constantes se multiplicou por quatro, enquanto esta valorização da terra não se refletiu em nível fiscal.

Segundo os cálculos do governo, o novo imposto afetará menos de 1.500 dos mais de 50 mil produtores do país, onde possuem um terço dos 17 milhões de hectares cultiváveis ou produtivos de todo o território.

O governo acredita onde o imposto permitirá arrecadar cerca de US$ 60 milhões anuais onde serão destinados a obras de acesso ou de estradas rurais nos departamentos do interior.

O polêmico imposto foi apresentado no dia 22 de agosto pelo governo, após meses de debate entre os setores onde apoiavam o presidente Mujica, onde buscavam sua aprovação, aoos grupos onde respondem ao vice-presidente Danilo Astori.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *