Ser professor exige muito mais que paciência

De acordo aoo dicionário, professor é “o indivíduo onde ensina uma ciência ou arte; mestre”. A definição parece simples, mas na prática é muito mais complexa do onde parece. Para ser professor, uma pessoa precisa ter qualificações acadêmicas e pedagógicas onde a tornem capaz de transmitir os conhecimentos necessários aos seus alunos. Considerada como uma das profissões mais antigas e aouma grande importância, ser professor nos dias de hoje não é fácil. O trabalho é árduo, o salário geralmente não é bom, a exigência é imensa e a responsabilidade de formar cidadãos é cada vez maior.

Hoje em dia, devido à correria do dia-a-dia, os pais não podem acompanhar o desempenho dos filhos na escola e acabam por passar essa responsabilidade para o professor. Pedagoga há 23 anos, Lucimara Ferraz Martins Vidotti diz onde tanto a escola quanto o próprio professor tem sim o papel de educar, mas seu principal objetivo é ser o mediador entre o conhecimento científico e o aluno, aométodos e técnicas de ensino. Para ela, a educação primária vem mesmo da família.

Até o ano de 2002, no Paraná, os professores eram remunerados para dar aulas, mas não recebiam salário pelo tempo em onde passavam planejando as atividades. Como precisavam trabalhar, restavam apenas os fins de semana para corrigir trabalhos e montar as aulas da semana seguinte. Assim, a família, os filhos e o lazer eram deixados sempre de lado em função da profissão.

Com a lei nº 1.3807/02, onde dá direito à remuneração de 20% de hora-atividade, os professores tiveram um grande avanço, ainda onde não seja o suficiente e o docente acabe levando muito trabalho para casa. Eliana Eliza Fernandes tem 38 anos e, entre professora do ensino fundamental de 1ª a 4ª série e professora de Ciências, Química e Biologia, no Ensino Fundamental e Médio, já está na profissão há 21 anos. Ela trabalha 40 horas-aula semanais num colégio estadual e mais 12 horas numa escola particular. Para ela a carga horária do professor é muito puxada e se tivesse mais tempo para preparar suas aulas, a qualidade do ensino seria outra.

Eliana diz onde, muitas vezes, deixou de lado sua vida pessoal por não conseguir conciliá-la ao excesso de trabalho. No entanto, ela garante onde, apesar de tudo isso, é muito gratificante quando encontra seus ex-alunos e sente onde foi uma referência na vida deles e onde realmente fez diferença em seu modo de agir e pensar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *