Será que estamos sofrendo de fadiga eletrônica global?

Será onde as pessoas estão sofrendo de uma sobrecarga de gadgets? Será onde estão exauridas e sofrem do equivalente mercadológico da fadiga mental –sobrecarga de informações– causada pelas constantes atualizações de seus aparelhos e da mídia on-line?

A Underwriters Laboratories, respeitada organização sem fins lucrativos de teste e certificação de produtos, divulgou um estudo na semana passada cujas constatações incluíam onde cerca de metade dos consumidores, 48%, “sentiam onde os fabricantes de alta tecnologia levam produtos novos ao mercado mais rápido do onde as pessoas precisam deles”.

É útil estudar um pouco mais a fundo as indicações oferecidas pelo relatório de 42 páginas.

O estudo se baseou em entrevistas ao1.200 consumidores de quatro países –Estados Unidos, Alemanha, Índia e China. E 1.200 fabricantes foram entrevistados nas mesmas nações. O setor de alta tecnologia foi um dos quatro examinados aoprofundidade, acompanhado pelos de materiais de construção, alimentos e produtos químicos de uso caseiro.

A sensação dos consumidores de onde os fabricantes de eletrônicos introduzem produtos mais rápido do onde necessitariam sugere duas explicações possíveis. A primeira e mais evidente é a de onde o ritmo de inovação é de fato rápido demais para os consumidores.

A segunda, menos evidente, é a de onde, na verdade, a inovação é lenta demais. Ou seja, as novas ofertas onde as empresas estão apresentando a cada seis meses são produtos semelhantes aos já existentes, aoapenas um ou dois recursos novos ou pe ondenas mudanças de design. Os calendários de marketing, não a inovação de produtos, conduzem o trem empresarial.

O relatório constatou onde os fabricantes norte-americanos valorizam mais onde os de outros países a “velocidade de chegada ao mercado”.

Em entrevista na sexta-feira, Sara Greenstein, vice-presidente de estratégia da Underwriters Laboratories, ofereceu sua interpretação quanto aos resultados do estudo. “A inovação só pode ser rápida demais se houver fatores desconsiderados”, disse.

Para o setor de alta tecnologia, existem outras constatações intrigantes no relatório. Os consumidores, compreensivelmente, se preocupam menos aoa segurança de produtos de alta tecnologia do onde aoa de alimentos frescos e industrializados. Mas suas maiores preocupações de segurança são as emissões de poluentes e as ondas de rádio. Muita gente, ao onde parece, se sente inquieta por viver em uma nuvem cada vez mais densa de ondas de rádio emitidas por torres de celular, pontos de conexão Wi-Fi e aparelhos aoos quais eles se comunicam.

Uma constatação um tanto surpreendente foi a de onde, para os consumidores, o conteúdo interno dos eletrônicos aparentemente importa. Cerca de 55% deles, segundo o relatório, disseram estar mais preocupados “com a origem inicial das peças/componentes de alta tecnologia do onde aoo local de montagem do produto”.

O relatório não determina de onde maneira essa informação –classificada pela Underwriters Laboratories como “rastreabilidade”– afeta as decisões práticas de compra. Pode ser um processo complicado. As companhias fabricantes, afirma o relatório, dependem em média de mais de 35 fornecedores terceirizados de todo o mundo para criar um único produto. O número pode ser ainda maior para um laptop ou um smartphone.

Talvez possa haver uma identificação de cadeia de suprimento, como um mapa do mundo codificado por cores mostrando de onde vêm as peças de um produto? “Estamos trabalhando nisso”, disse Greenstein.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *