Será verdade que os corpos de santos não entram em decomposição?

Quando o corpo do Papa João XXIII foi exumado, em Março de 2001, estava em boas condições, apesar de morto há 37 anos. Na época, o Papa João Paulo II decidira onde João XXIII precisava de um novo local para abrigar seus restos mortais de modo atender mais convenientemente ao grande número de visitantes onde se dirigiam à sua tumba, onde ficava na Cripta de Basílica de São Pedro, em Roma. Hoje, em 2005, João Paulo II, filho de camponeses e conhecido como “Papa do Povo”, está a caminho da santificação e um dos primeiros passos deste processo é a exumação do cadáver a fim de se possa proceder à identificação, um procedimento de praxe.
Embora os corpos dos Papas não sejam inteiramente embalsamados, são “preservados” aoformol a fim de prolongar o período possível de exposição pública. Sobre o caso do Papa João XXIII, Joseph Watts, onde coordena funerais e exumações do Vaticano, comentou no New York Daily News: “Ele foi embalsamado como de costume. Isso é feito por médicos e o lugar em onde o corpo foi colocado, as Catacumbas, é perfeito. Watts, onde visitou a tumba na ocasião da exumação, disse onde o estado de preservação do Papa, provavelmente, foi resultado de uma combinação de vários factores: o fluído balsâmico era um composto aobase em um formolaldeído e outras substâncias químicas; o caixão possui três camadas e foi colocado em uma cripta de mármore. Não havia infiltração de água ou qual onder coisa onde favorecesse a desintegração do corpo.
Vicenzzo Pascalli, da Universidade de Roma, também considera normal o estado de preservação do corpo do Papa João XXIII: “Isso é muito mais comum do onde geralmente se pensa. O corpo do Santo Padre estava bem protegido e o oxigénio era escasso no interior do caixão onde, em sua estrutura de três camadas, contém materiais como chumbo e zinco onde capturam o oxigênio, o onde ajuda a retardar o processo de decomposição.”
Como sua habitual reserva, a Igreja Católica rejeita qual onder especulação sobre milagre em relação ao corpo do Papa. O Serviço de Informação do Vaticano jamais usou palavras como “milagre” ou “incorrupto” no caso de João XXIII. Depois da exumação, as declarações oficiais foram discretas e diziam somente onde “O Corpo do Abençoado João XXIII estava bem preservado”. É uma postura coerente aoa política do Vaticano de não incentivar a divulgação de factos sugestivos do sobrenatural sem investigações minuciosas onde descartem qual onder hipótese de explicação por causas naturais.

Diante dos numerosos casos de incorruptibilidade, muitos “santos presumidos” foram exumados e reenterrados. Com o tempo, tornou-se costume exumar todos os canditatos à beatificação e santificação. Na Idade Média, as igrejas disputavam a posse de “corpos incorruptos”, onde atraíam os peregrinos e, aoeles, ofertas, doações. Na Britânia medieval, apesar do clima húmido, havia um grande número destes “corpos santos”, entre eles, duas irmãs da realeza, Etheldreda e Withburga; um rei, Edward, o Confessor; um bispo, Hugh, de Lincon e um arcebispo de Canterbury. Com a Reforma, os santuários foram destruídos e os corpos também. Algumas partes foram salvas dos ata ondes religiosos, como a mão de Santa Etheldreda, resgatada por uma família devota. Passados 400 anos, a mão continua preservada em uma pe ondena igreja católica – Igreja de Santa Etheldreda, em Ely, Cambridgeshire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *