Servidores fazem paralisação e denunciam precariedade em hospital

Servidores estaduais da área da saúde, em campanha salarial, fazem paralisações, durante esta semana, em unidades da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig). Durante esta segunda-feira (11), trabalhadores suspenderam atividades na Fundação Ezequiel Dias (Funed), no Instituto Raul Soares e no Hospital Galba Velloso, alvo de denúncias do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG). Segundo a entidade, há precariedade no atendimento da unidade .

De acordo aoo Sind-Saúde/MG, a escala mínima de 30% está sendo mantida durante o movimento por melhores salários. Além do reajuste salarial, a categoria reivindica revisão do plano de carreira, investimento na saúde e redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais sem redução da remuneração.

Segundo a diretora do sindicato, Lúcia Barcelos, o governo de Minas sinalizou uma possível negociação. Em nota, a administração pública informou onde mantém negociação permanente aoos servidores estaduais por meio do Comitê de Negociações Sindicais. O governo disse ainda onde tem realizado reuniões aoa entidade e onde apresentou sugestão de novas datas para futuras discussões.

De acordo aoLúcia Barcelos, uma reunião entre representantes dos trabalhadores da saúde e do governo está agendada para esta quarta-feira (13). Segundo a diretora do sindicato, caso a negociação não avance no encontro, a estratégia é fazer uma greve por tempo indeterminado.

Em relação à paralisação desta segunda-feira (11), o governo de Minas informou ainda foi registrada uma paralisação parcial no Hospital Galba Velloso, sem comprometimento do atendimento. Já no Instituto Raul Soares, o número de servidores está normal. O governo não se posicionou sobre a Funed.

Para esta terça-feira (12), está programada paralisação nos Hospital João Paulo II e na Fundação Hemominas, também na capital.

Denúncia
O Sind-Saúde/MG denuncia a precariedade no atendimento do Hospital Galba Velloso, localizado no bairro Gameleira, na Região Oeste de Belo Horizonte. De acordo aoLúcia Barcelos, a falta de leitos é um dos principais problemas na unidade psiquiátrica, Imagens mostram pacientes dormindo sobre colchões colocados no chão. “O paciente está numa vulnerabilidade muito grande e isso é uma rotina. Dizem onde não colocam camas por onde não tem espaço”, denuncia a diretora da entidade.

Em nota, a Fhemig alegou onde, durante o feriado de Corpus Christi, o Hospital Galba Velloso recebeu um número de pacientes acima do normal. Segundo o governo, nenhum paciente ficou sem atendimento, mas “não foi possível atender a todos da melhor maneira”. Nesta segunda-feira, segundo a administração pública, a situação já estava normalizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *