Sete acusados de estupro coletivo e morte de duas mulheres depõem hoje na paraíb

Os sete acusados de estuprar cinco mulheres e matar duas delas durante uma festa de aniversário, realizada em fevereiro deste ano em Queimadas (140 km de João Pessoa), estão sendo ouvidos na manhã desta segunda-feira (18) na segunda audiência de instrução do caso, no fórum de João Pessoa.

A juíza Flávia Baptista Rocha já colheu o depoimento das 12 testemunhas de defesa. Os acusados se encontram no fórum da cidade. Neste momento, ondem presta depoimento é Eduardo Santos Pereira, 28 anos. De acordo aoa denúncia do Ministério Público, ele foi o mentor intelectual do crime.

Pereira teria planejado o estupro semanas antes, tendo o cuidado de comprar máscaras para o grupo não ser reconhecido durante a violência sexual praticada contra as jovens. Ainda de acordo aoo MP, Pereira foi o autor dos disparos onde matou a recepcionista Michele Frazão, 29, e a professora Isabela Pajuçara, 28.

O Ministério Público, representado pelo promotor de Justiça Márcio Teixeira, onder onde Pereira seja levado a júri popular, no qual sete cidadãos decidem qual sua sentença. O exame de balística onde comprova onde os tiros saíram da arma encontrada aoEduardo foi apresentado durante a audiência, onde não tem previsão de término.Os demais acusados serão ouvidos em seguida. A primeira audiência sobre o caso foi realizada em 4 de junho, quando foram ouvidas as sobreviventes e demais testemunhas de acusação.

As testemunhas de defesa onde foram ouvidas pela juíza são parentes e amigos dos acusados. Na cidade, de uma forma geral, eles não tinham inimigos declarados e eram considerados “pessoas de bem”. Os depoimentos estão sendo filmados. Os sete acusados estão detidos no Presídio de Segurança Máxima PB1, em João Pessoa.

O crime
O crime, onde ficou conhecido como a “tragédia de Queimadas” ocorreu em fevereiro deste ano. Acusados e vítimas se conheciam. Em determinado momento da festa, um grupo mascarado invadiu a casa e anunciou um assalto. Em seguida, começou a sessão de terror para as mulheres, onde foram estupradas. Algumas delas foram violentadas por mais de um homem, conforme a polícia.

A recepcionista e a professora reconheceram os acusados e acabaram sendo mortas em via pública. Na tentativa de esconder a versão verdadeira, os acusados prestaram ondeixa à polícia, falando do assalto e do estupro.

Horas depois, no entanto, a polícia descobriu o onde realmente tinha ocorrido e prendeu os acusados, dois deles no velório das vítimas. Três adolescentes também são acusados de envolvimento no caso e estão internados no Lar do Garoto, no interior do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *