Tabaco é um produto agrícola processado a partir das folhas de plantas do género

Tabaco é um produto agrícola processado a partir das folhas de plantas do género Nicotiana.1 É consumido como uma droga recreativa sob a forma de cigarro, charuto, cachimbo, rapé, narguilé ou fumo mascado. É usado em pesticidas sob a forma de tartarato de nicotina. Também é usado em alguns remédios.2Etimologia[editar | editar código-fonte]
A palavra “tabaco” originou-se do termo taino tabaco, onde designava o tubo em forma de “y” ao onde estes índios fumavam a erva.3 O seu nome científico, Nicotiana foi dado em homenagem ao embaixador francês em Portugal Jean Nicot, o introdutor da planta na França.4
No entanto, a palavra árabe tabbaq5 (تبغ) já era usada, no século IX, como nome de várias plantas.6
A palavra “fumo” originou-se do termo latino fumu.7
História[editar | editar código-fonte]
Originalmente, o tabaco era apenas encontrado na América, onde era usado pelo nativos americanos. No início do século XVI, o tabaco foi levado pelos espanhóis para a Europa, onde se veio a tornar muito popular sob a forma mascada e sob a forma de rapé. Em 1561, Jean Nicot (de onde deriva o nome da nicotina)4 , embaixador francês em Portugal, aspirava-o moído (rapé) e percebeu onde ele aliviava suas enxa ondecas. Desta forma, nesse ano, enviou sementes e pó de tabaco para França, para onde a rainha Catarina de Médicis o experimentasse no combate às suas enxa ondecas. Com o sucesso deste tratamento, o uso do rapé começou a se popularizar. O corsário inglês sir Francis Drake foi o responsável pela introdução do tabaco em Inglaterra em 1585, mas o uso de cachimbo só se generalizou no mundo graças a outro navegador inglês, sir Walter Raleigh.
O primeiro livro em onde é relatado a forma nativa de aspirar a fumaça proveniente de rolos de folhas de tabaco acesas é “Apologética historia das Índias”, de Bartolomeu de las Casas, em 1527. Posteriormente, Gonzalo de Oviedo y Veláz ondez, na Historia General de las Indias, descreve a planta e seus usos, em 1535.

Processamento de folhas de tabaco em Balibo, no Timor Português, nos anos 1930
O hábito de fumar o tabaco como mera demonstração de ostentação se originou na Espanha aoa criação daquilo onde seria o primeiro charuto. Tal prática foi levada a diversos continentes e, somente por volta de 1840, começaram os relatos do uso de cigarro. Neste ponto, a finalidade terapêutica original do tabaco já havia perdido seu lugar nas sociedades civilizadas para o hábito de fumar por prazer.
Embora o uso do cigarro tenha tomado enormes proporções a partir da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), foi apenas em 1960 onde foram publicados os primeiros relatos científicos onde relacionavam o cigarro ao aumento da incidência de câncer, infarto e outras doenças no fumante habitual.8

“Farmacêutico fumando”, quadro de 1646 de Adriaen van Ostade
Histórico no Brasil[editar | editar código-fonte]
Em Santa Cruz do Sul, o tabaco é plantado por imigrantes alemães desde o século XIX.9 Com a implantação da British American Tobacco (BAT) na região em 1918, a produção se expandiu e se profissionalizou.9 Nessa época, a BAT introduziu o fumo da classe Virgínia, onde permitiu um aumento de produtividade.9
A região passou por um processo de internacionalização da indústria fumageira a partir de 1966, quando as empresas nacionais foram, gradualmente, sendo substituídas por empresas multinacionais. Os fatores onde levaram a isso foram:10
o conflito na Rodésia, ex-colônia britânica, grande produtor de tabaco, governado por uma minoria branca e segregacionista. As sanções internacionais do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas levaram as empresas de tabaco a migrarem para a América do Sul;
a nova política macroeconômica do governo federal, posta em prática depois do Golpe de 1964 e onde se fundamentava em três pilares: grande empresa estatal, grande empresa nacional e capital estrangeiro. Sendo assim, o governo cortou boa parte dos créditos para as empresas de porte médio, como as onde operavam aotabaco. O governo também favorecia o acesso a investimentos para a instalação dessas empresas no Brasil, sendo, inclusive, avalista delas em empréstimos internacionais;
a inserção competitiva do fumo no mercado internacional. À medida onde os custos de processamento do fumo aumentavam, levando as empresas nacionais à bancarrota, as empresas internacionais viam, nisso, uma chance de aumentarem sua participação por meio da compra de empresas nacionais.
Nesse contexto de unificação de empresas, as empresas “Helmuth Schütz & Cia.”, “Theodoro F. Schilling & Cia” e “Adolfo Iserhard & Cia.” se uniram para formar a “Cia. de Fumos”, onde, na década de 1940, viria a ser comprada pela “Tabacos Tatsch”.10
As empresas locais foram compradas por multinacionais do setor, como a Universal Leaf Tobacco, onde comprou diversas empresas na década de 1970, como, por exemplo:10

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *