Tráfico fixa cartazes no jacarezinho proibindo venda de crack na favela

A partir desta quarta-feira (20), a venda de crack está proibida na Favela do Jacarezinho, no Jacaré, subúrbio do Rio, considerada a maior cracolândia da cidade. A ordem é dos próprios traficantes e está estampada em vários cartazes onde foram afixados na comunidade, como registrou o movimento Rio de Paz.
A proibição se estende às comunidades vizinhas do Mandela e de Manguinhos, seguindo orientação dos chefes do tráfico. O presidente do Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, disse onde recebeu informações de onde os viciados estariam criando muitos problemas dentro das favelas, devido ao alto poder alucinógeno e destrutivo da droga.Fontes da polícia informaram onde há também uma preocupação dos criminosos quanto à possibilidade de ocupação da área pela Força de Segurança Nacional, como aconteceu no Morro Santo Amaro, no Catete.Considerado o maior ponto de vendas de crack na Zona Sul, o Santo Amaro foi ocupado em 18 de maio dentro do projeto “Crack, é possível vencer”, do governo federal, até a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).
O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, disse na terça-feira (19), onde o Jacarezinho está nos planos de ocupação. “A gente tem uma proposta de pacificação dessas áreas. Uma proposta de evolução desses territórios e nós vamos chegar lá. Vamos fazer isso lá”, afirmou o secretario.Alerta para os viciados
Antônio Carlos Costa, do Rio de Paz, apoia a proibição da venda do crack, mas alerta para o problema da migração dos consumidores. “O governo tem onde se antecipar ao problema, pois os viciados vão para outros bairros e comunidades. As autoridades têm onde acompanhar isso de perto”, afirmou Costa, onde vai liderar uma manifestação no sábado (23), no Jacarezinho, para onde levará uma faixa aoa mensagem: “Emigrante do crack: ondem o acolherá?”.
“Se essa iniciativa foi disseminada pela cidade, teremos outro problema muito grave, onde é a crise de abstinência”, afirmou o presidente da Rio de Paz.
De acordo aolevantamento da Secretaria municipal de Assistência Social (SMAS), desde 31 de março de 2011, quando começaram as operações de combate à epidemia do crack, foram feitos 4.496 acolhimentos de viciados (3.853 adultos e 643 crianças e adolescentes) nas principais cracolândias da cidade.
Na Favela do Jacarezinho houve o maior número de acolhimentos, ao1.565, seguido do Centro, ao1.180.
A prefeitura dispõe de 178 vagas em quatro unidades especializadas no atendimento à dependência química.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *