Tudo acerca dos reis sumerianos

Reis Sumerianos

Na região de Sumer, por volta do terceiro milênio, havia pelo menos doze importantes cidades-estado, cada qual murada e com seus deuses e seu rei. As mais conhecidas são Ur, Eridu, Lagash, Uma, Adab, Kish, Sipar, Larak, Nipur, Larsa.


A realeza surgiu da necessidade de enfrentar o inimigo, ou seja, cada cidade escolhia o homem mais destemido e corajoso para comandá-los. Esse homem era chamado lugal, que significa grande homem, essa é a palavra Suméria para rei.


No início a função de lugal era passageira, ele apenas liderava sua cidade num determinado momento, quando acabasse o conflito, voltava para a vida de cidadão comum. Acontece, que os conflitos foram se tornando constantes e o lugal passou a ocupar o poder de maneira permanente e hereditária. Isso ocorreu por volta de 3000 a.C.


Foi uma fase de lutas sem fim na história da Suméria, reis guerreiros comandando seus exércitos, cidades contra cidades.


Entre essas lutas, a Suméria se viu subjugada pelo domínio estrangeiro, por diversas vezes.


O primeiro rei ou lugal a estabelecer controle sobre a totalidade da Suméria foi Etana da cidade de Kish (suas ruínas ficam a 90 km. da atual Bagdá), de acordo com a Lista dos Reis Sumerianos. A Lista cita Etana como, aquele que estabilizou todas as terras.


Depois de Etana, temos Meskiaggasher da cidade de Uruk, a Lista diz que ele invadiu o mar, galgou as montanhas. Ainda na cidade de Uruk, temos Dumuzi, que foi deificado na Mesopotâmia como o deus da fertilidade.


Mas, o mais famoso rei de Uruk foi Gilgamesh. Ele é praticamente um mito, seus feitos foram narrados em diversas línguas e talvez tenha sido ele o inspirador da figura de Héracles, o herói grego. Não há descobertas conclusivas sobre ele, mas é citado na Lista e documentos atestam sua vitória sobre as cidades de Kish e Ur.


Depois disso, a Suméria se tornou vassala dos elamitas, povo que habitava o que hoje é o sudoeste do Irã.


Só um século depois de Gilgamesh é que os Sumérios voltaram a ser livres. O grande responsável por isso foi Lugalannemundu, rei da cidade de Adab, descrito como aquele que obrigou todas as terras estrangeiras a lhe pagarem pesado tributo.



Detalhe da Estela dos Abutres.

Detalhe da Estela dos Abutres.

Nova fase de guerras entre as cidades.


Hegemonia de Lagash sob Eannatum, Subjugador das Terras Inimigas, terceiro rei da primeira dinastia da cidade. Derrotou Umma, com quem lutava por direitos de irrigação e mandou erguer a Estela dos Abutres entre as duas cidades. Esse é o mais antigo tratado diplomático conhecido, pois ali estão escritos os termos da paz.


Depois dele podemos citar Urukagina, Lugalzaggesi e finalmente Sargão, o Grande. Sargão reuniu a Suméria e a metade setentrional da Mesopotâmia numa única nação.


Após a morte de Sargão, temos seu neto Naram-Sin, ainda governando até a invasão dos gutianos. Sob os gutianos aparece apenas um governante sumeriano, de Lagash, que foi Gudea.



 

Gudea de Lagash.

Depois de um século de opressão, surge novamente um libertador, Utuhegal, em Uruk. Ele foi deposto por Ur-Nammu da cidade de Ur.


Este foi um rei usurpador, mas forte e capaz e ficou famoso como o primeiro legislador da História, ele morreu em batalha. Seu filho Shulgi então passou a reinar e foi registrado como sábio, guerreiro, construtor de templos, diplomata e patrono das artes. Durante seu longo reinado, a Suméria voltou a ser um grande império.


Quando o quinto e último rei da dinastia de Ur-Nammu, subiu ao trono em Ur, o império já estava ameaçado. Esse rei, Ibbi-Sin foi abandonado por seus generais e o poder foi dividido.


Por volta do ano 2000 a.C. os elamitas voltaram a atacar, destruíram Ur e prenderam o rei. A queda de Ur assinalou o fim da Sumeria.


Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *