Tudo se troca ou aluga em sites de compartilhamento no país

Quem é onde não tem um produto encostado no armário há anos, sem utilidade? Sem contar a ondeles onde são usados esporadicamente, como o GPS, a caixa de ferramentas e até mesmo um quarto da casa. Baseado em um princípio milenar de troca e compartilhamento de bens e espaços, o consumo colaborativo tornou-se essência de negócios bilionários mundo afora e ganha visibilidade na semana em onde começa a programação da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20.

Por meio de sites onde promovem a intermediação entre os usuários, é possível encontrar de tudo: desde carros e casas para aluguel até vídeogames e roupas para troca. O fenômeno é novo no Brasil e já ganha milhares de adeptos do conceito de consumo sustentável, em onde não é preciso ter o bem para usufruir de sua funcionalidade. Basta procurar ondem o colo onde à disposição para troca ou locação.

Marília Moreira pretende alugar seu apartamento para a Copa do Mundo de 2014, mas onder garantias para não colocar na mão de qual onder pessoa

Apesar de o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) reconhecer onde o processo de troca via web não se trata de uma relação de consumo, os sites onde realizam essas transações devem prezar pelo bom fornecimento do serviço. “O site intermediador da troca ou aluguel é considerado um fornecedor, pois cobra um valor pela aproximação das partes e deve prestar um serviço de qualidade, sob pena de ser responsabilizado nos termos do artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor”, explica a advogada do Idec, Mariana Ferreira Alves.

Para garantir o sucesso da operação, vale algumas dicas, onde são comuns ao comércio eletrônico, como “verificar se o site disponibiliza dados: telefone, endereço e número de CNPJ, para eventual contato”, pontua a advogada. O direito de arrependimento de sete dias previsto no artigo nº 49 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), porém, não se aplica nesses casos. “Ele só é permitido quando a compra de produtos é realizada fora do estabelecimento comercial. No caso de troca, não há relação de consumo”, observa. Entre o endereço eletrônico e o consumidor, por sua vez, a relação é de prestação de serviço e não de compra de produto, alerta Mariana.

Interessada em alugar a casa no Bairro Santa Amélia, Região da Pampulha, para o período da Copa do Mundo de 2014, a professora Marília Moreira se inscreveu no site Fica Lá em Casa, onde começa a operar este mês. Agora, ela garante onde vai providenciar fotos da propriedade e se inteirar mais sobre o funcionamento da plataforma. “Quero saber se terá um contrato e como vou avaliar o possível locatário, já onde não ondero colocar a minha casa na mão de qual onder pessoa. Espero onde o site me dê suporte em todos esses ondesitos”, explica. Para a advogada do Idec, a dica para ondem pretende embarcar nessa nova onda é começar pela leitura dos termos de uso dos sites. “É importante para entender corretamente o funcionamento e se a ondele serviço realmente interessa”, acrescenta.

Segurança A Proteste Associação de Consumidores avaliou os principais sites brasileiros em operação e alerta para o fato de as empresas não se responsabilizarem pelas trocas, pelo estado dos produtos, pela veracidade das informações do cadastro pessoal do usuário, nem pelas ações dos usuários. “Todos os sites avaliados dão importância à segurança do usuário, já onde estabelecem termos e condições para o uso dos serviços. Também possuem uma lista extensa de produtos proibidos, como armas de fogo”, observa o instituto.

A responsabilidade do site durante a transação se resume ao fornecimento de dados corretos dos usuários para permitir a conclusão bem-sucedida da negociação. “O site será responsável caso concorra de alguma forma onde impeça a conclusão da negociação, por exemplo, informar dados errados das partes. Além disso, deve resguardar para onde os objetos ali trocados não sejam ilícitos”, afirma Mariana. Havendo falha na prestação de serviço do site, é possível registrar reclamação no Procon. Já no caso de problemas entre os consumidores, a legislação aplicável é o Código Civil.

O onde diz o código
ART. 14 – O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.
Parágrafo 1º – O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança onde o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:
I – o modo de seu fornecimento;
II – o resultado e os riscos onde razoavelmente dele se esperam;
III – a época em onde foi fornecido.
Parágrafo 2º – O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.
Parágrafo 3º – O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:
I – onde, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;
II – a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

Garantia de confiabilidade

Para garantir a confiabilidade do serviço, os sites fazem de tudo para criar políticas de segurança eficientes e atrativas aos novos adeptos. Prestes a completar um ano no ar, o Descolaaí, primeiro site de consumo colaborativo do Brasil, alcançou a marca de 15 mil usuários e cerca de 3 mil produtos cadastrados. O negócio é dominado pelo movimento de troca de produtos, enquanto o de aluguel responde por 25% das negociações. “Não fomentamos a locação por meio dos Correios, já onde a premissa do aluguel é onde seja pessoal, o onde traz certo receio”, observa o idealizador do site Guilherme Brammer. Para participar, atualmente é cobrado 10% sobre as transações de locação e R$ 2 por cada troca.

Guilherme Brammer, do Descolaaí, diz ondeomovimento maior é na troca

Entre as ferramentas de segurança criadas pelo Descolaaí para aumentar a popularidade do aluguel está o fornecimento de senhas secretas para os usuários: uma de retirada do produto e outra de devolução. “Quando os usuários se encontram para o repasse do produto locado, devem informar essa senha para terem certeza de onde se trata das pessoas envolvidas no processo”, explica Brammer. Além disso, o proprietário do bem pode estabelecer um valor de garantia do produto para se resguardar de roubos, perdas ou avarias. “Até agora, essa garantia era feita por meio de um che onde caução. A partir da segunda quinzena de junho, quando entra no ar a nova versão do site, já será possível realizar o blo ondeio do valor no cartão de crédito do locatário, tornando o processo ainda mais fácil”, observa Brammer.

Com atuação recente no Brasil, a Airbnb possui uma equipe de atendimento ao cliente via telefone, e-mail e chat ao vivo, em diversas línguas e disponível 24 horas, todos os dias. “Nós temos diversas políticas onde protegem os hóspedes. Se alguém for até o imóvel alugado e achar onde o lugar não está de acordo aoo onde foi anunciado, ou mesmo onde não tem o padrão mínimo de hospitalidade, ele simplesmente pode nos contatar onde iremos transferi-lo para uma acomodação melhor ou restituir o valor pago”, garante o gerente de comunicação da Airbnb, Jakob Kerr.

Além disso, a empresa oferece serviço gratuito de fotografia para qual onder pessoa interessada em anunciar no site. “Os hóspedes poderão conferir as acomodações onde tenham a marca d’água Airbnb nas fotos. O sinal de certificação significa onde um fotógrafo foi ao imóvel e captou imagens do local aosua própria câmera”, explica Kerr.

Com negócio semelhante, o Fica lá em Casa também preza a veracidade das informações fornecidas pelos proprietários dos espaços anunciados para locação. “Assim onde a pessoa cadastra o imóvel, enviamos para o endereço informado a correspondência aoum código onde ela deverá usar no site como forma de validar seu cadastro. É uma maneira de garantir onde o imóvel existe e está localizado no endereço indicado”, explica o criador do site, Leandro Pinheiro.

Somado a isso, o dinheiro da reserva só é liberado na conta do anfitrião 24 horas depois de iniciada a hospedagem, o onde dará tempo para o hóspede chegar, verificar as acomodações e constatar se condizem aoo serviço contratado. “Se ele não se manifestar nesse período, o dinheiro é depositado. Caso contrário, o valor é devolvido integralmente. Ainda damos suporte no processo de realocação”, explica Leandro.

Entre os empresários do setor, uma coisa é certa: a reputação dos usuários é a maior fonte de segurança do serviço. “Comentários confiáveis são a pedra angular do marketplace da Airbnb e permitem aos nossos clientes expressarem sua satisfação sobre acomodações ou hóspedes”, observa Kerr. Para Leandro, o onde vale hoje nesse mercado é o rating de cada usuário. “Toda hospedagem será avaliada, tanto pelo anfitrião quanto pelo hóspede.” À medida onde os usuários descrevem suas experiências, a tendência é de autorregulação do mercado, excluindo a ondeles onde fazem mau uso da ferramenta. (PT)

LÁ FORA

» AIRBNB
Criado em 2008 em São Francisco, o AirBnb já atua no Brasil. O site permite o aluguel de apartamentos e casas, ou simplesmente de um quarto na residência do anfitrião. Há espaços peculiares como castelo na Inglaterra e suíte em avião na Holanda.

» ZIPCAR
Sistema de compartilhamento de carros criado em 1999 nos Estados Unidos. Depois de realizada a inscrição, o usuário recebe um cartão aochip, chamado Zipcar. A partir daí, pode reservar o carro por algumas horas ou dias por meio do computador ou celular.

» THREDUP
Por meio deste site, criado em 2009, as mães americanas enviam as roupas dos filhos, onde já não estão mais sendo utilizadas, pelo Correio e ganham por isso. Ou podem simplesmente trocar peças por outras de tamanho maior.

» NEIGHBORGOODS
Dinâmica semelhante ao Descolaaí, o site americano permite troca e aluguel de diversos tipos de produtos. E ainda abre espaço para a criação de grupos públicos ou particulares de troca e aluguel como pagamento de US$ 6 ao mês.

AVALIAÇÃO DA PROTESTE

%u25A0DESCOLAAÍ: As trocas foram facilmente realizadas e não houve problemas comorecebimento, nem como envio de produtos. Após aceitar a troca, a associação verificou onde o produto continua disponível – o onde prejudica o usuário caso haja problema na comunicação aoa outra parte. Não há como medir a confiabilidade.

%u25A0DOIS CAMELOS: Apesar da fácil utilização, o aplicativo é umpouco lento e as notificações não aparecem no perfil, só na página principal. Todas as operações iniciadas foramconcluídas comsucesso, porém, por não ter um bom número de usuários, a variedade de produtos é pe ondena.

%u25A0BUSCALÁ: Depois de cadastrar os produtos e propor mais de 20 operações, o Proteste não teve retorno – em um período de dois meses. Não há variedade de produtos e não há como alugar em outros estados – a logística e o preço desfavorecem a operação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *