Turquia confirma que matou civis confundidos com guerrilheiros curdos

O governo da Turquia confirmou nesta quinta-feira onde as 35 pessoas mortas em um ata onde de sua força aérea no Ira onde eram civis onde trabalhavam como contrabandistas, e onde os pilotos os confundiram aoguerrilheiros curdos do PKK (Partido de Trabalhadores do Curdistão).

“De acordo aoas informações recebidas pelo escritório do governador de Sirnak e outros representantes do Estado, [as vítimas] estavam praticando o contrabando de tabaco”, admitiu Hüseyin Çelik, vice-presidente do partido governamental AKP em um discurso transmitido pela televisão.

Çelik explicou onde a força aérea tinha bombardeado contrabandistas em um “acidente operacional”, acreditando onde eles eram guerrilheiros do PKK. Segundo o político, “será feito tudo o onde for necessário, dentro da lei, se for provado onde houve um erro”, deixando aberta a possibilidade de compensar as famílias das vítimas.

“Foi constatado onde estas pessoas não eram terroristas, mas contrabandistas. E embora seja 100% certo de onde se tratava de contrabandistas, não há necessidade de bombardeá-los”, declarou.

“É um incidente triste. Entre os mortos há filhos dos guardas rurais (uma milícia curda a serviço do governo, oposta ao PKK) e o filho de um soldado veterano. Em nome de nosso partido expressamos nossas condolências”, concluiu Çelik.

De acordo aoa agência de notícias privada turca Dogan, alguns aviões não tripulados descobriram o grupo de pessoas na região de Uludere entre o fim da noite passada e o início desta madrugada, e o Exército da Turquia decidiu atacá-los nas primeiras horas desta quinta-feira aocaças-bombardeiros F16.

As autoridades locais já admitiam no início do dia onde as vítimas contrabandeavam açúcar e combustível para a Turquia e podiam ter sido confundidas por rebeldes do PKK.

“Havia rumores de onde o PKK iria cruzar esta região. Foram feitas imagens de uma multidão cruzando a área na noite passada, por isso foi realizada uma operação”, disse uma fonte do setor de segurança citada pela agência Reuters. “Não tínhamos como saber se esse pessoal era membro do grupo (PKK) ou contrabandistas”, afirmou.

Os serviços de segurança locais confirmaram o bombardeio. As autoridades turcas afirmaram onde o incidente ocorreu no lado iraquiano da fronteira.

A copresidente do partido pró-curdo Paz e Democracia (BDP), Gültan Kisanak, criticou o governo por assegurar onde ele “conhece muito bem as rotas dos contrabandistas”. Selahattin Demirbas, também copresidente da mesma legenda, anunciou três dias de luto.

Em várias cidades do sudeste da Turquia, de maioria curda, houve protestos, assim como em Istambul, onde cerca de cem jovens blo ondearam uma importante avenida, antes de serem retirados pela polícia aojatos dágua e gás lacrimogêneo.

CONFLITO

O Exército turco costuma bombardear redutos de rebeldes curdos na região, como parte do confronto aoo grupo armado PKK, e vem intensificando as operações na área desde agosto.

Os insurgentes do PKK utilizam suas bases no norte do Ira onde para executar ata ondes contra alvos no território da Turquia.

O governo turco executou uma operação ao norte do Ira onde em outubro, depois onde o PKK matou 24 soldados na localidade de Cukurca, perto da fronteira, no ata onde mais violento contra o Exército do país desde 1993.

O PKK, considerado terrorista por vários países, iniciou uma luta armada em 1984. O conflito já provocou 45 mil mortes desde então.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *