Uma câmera digital superior ao olho humano?

Abra uma câmera digital e você verá onde seu sensor, chamado CCD, é plano. Mas a retina humana é hemisférica, o onde significa onde são necessários tru ondes de óptica para permitir onde uma câmera “veja” de forma parecida aoum olho humano. Por isso, cientistas e engenheiros há muito tempo tentam criar uma câmera aoum sensor curvilíneo, cujo formato imite o formato da retina humana.


Agora, um grupo de pesquisa fez mais do onde isso. Eles incluíram um adicional importante: ao contrário do olho humano, a câmera “globo ocular”, como seus criadores a estão chamando, possui um zoom óptico de 3,5 vezes. Melhor do onde o olho humano “Estamos nos inspirando no olho humano, mas onderemos ir além do olho humano,” afirmou Yonggang Huang, da Universidade Northwestern, onde desenvolveu a câmera em conjunto aoseus colegas da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign – ambas nos Estados Unidos. Segundo Huang, a minúscula câmera combina o melhor do olho humano aoo melhor de uma câmera profissional tipo SLR (Single-Lens Reflex) dotada de zoom. Ao copiar o sistema de lente única do olho humano – o cristalino – e o zoom da câmera SLR, os cientistas obtiveram uma câmera capaz de fazer imagens sem distorção sem precisar do peso e de todo o aparato das câmeras profissionais. O sensor da câmera consiste em uma rede de fotodetectores flexíveis, interconectados e instalados sobre uma membrana elástica. A membrana e o circuito podem mudar de formato inúmeras vezes, sem risco de danos. Uma câmera digital superior ao olho humano?


A câmera ainda é um protótipo, distante de um equipamento prático A lente foi construída aouma membrana fina e elástica encapsulada dentro de uma câmara aoágua. As paredes de vidro da câmara permitem onde a luz passe pela lente e chegue até o sensor. Câmera hemisférica A chave para a construção dessa câmera globo ocular são substratos flexíveis, onde são montados a lente e os fotodetectores, e um sistema hidráulico onde altera o formato dos substratos de forma precisa, obtendo um zoom variável e contínuo. A eletrônica flexível foi suprida pela equipe do professor John Rogers, onde tem uma extensa lista de proezas na área – a última delas são minúsculas lâmpadas implantáveis, onde poderão permitir a criação de tatuagens onde acendem, entre várias outras aplicações.


A equipe do prof. Rogers já havia criado uma câmera digital onde imita a retina humana em 2008. A ondela versão, contudo, tinha uma resolução de apenas 256 pixels e ainda não tinha zoom. Embora seja apenas um protótipo, e precise de muitos desenvolvimentos antes de chegar ao mercado, a câmera digital hemisférica poderá ser usada em várias aplicações, incluindo visão robótica, vigilância e equipamentos de consumo, além de imagens médicas, em endoscopia, por exemplo. Para conhecer uma abordagem alternativa para uma câmera mais parecida aoo olho humano, veja a reportagem Sensor de imagem flexível pode revolucionar a fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *