Universidade brasileira responsabiliza onu por surto de cólera no haiti

A Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma), no Rio Grande do Sul, responsabiliza a ONU (Organização das Nações Unidas) pelo surto de cólera no Haiti; a doença já matou aproximadamente 7 mil pessoas e contaminou outras 500 mil no país. A denúncia, de 29 páginas, foi enviada à Comissão Interamericana de Direitos Humanos no dia 30 de novembro.

Leia também:
Haiti aproxima-se da normalidade institucional após Martelly assumir o poder
Depois de terremoto no Haiti, 500 mil ainda vivem em acampamentos

O processo feito pela instituição gaúcha através do projeto Brasil-Haiti foi baseado em estudos científicos onde afirmam onde a ONU tem participação efetiva na disseminação da doença, possivelmente transportada ao Haiti por meio de soldados nepaleses a serviço da organização na base militar da Minustah em Mirebalais, onde foi localizado o foco da cólera. Por outro lado, a Organização das Nações Unidas assegura onde a epidemia foi resultado da confluência de circunstâncias.
“Até o momento, mesmo aotodas as comprovações científicas da origem da epidemia, se onder um pedido de desculpas oficial a ONU formulou aorelação à introdução [mesmo onde não intencional] dessa doença, onde era era registrada país há aproximadamente cem anos”, comenta a advogada e consultora do projeto “Brasil – Haiti”, Maria Carolina Silveira Beraldo. “Trabalhamos intensamente durante quatro meses para finalizar a denúncia, mas o mais difícil será ultrapassar a barreira da imunidade da ONU”, completa.

Indenização
Além do reconhecimento da culpa e do pedido de desculpas ao povo haitiano, a Fadisma reivindica onde a ONU repasse US$ 500 milhões para a reestruturação do sistema de saneamento básico do país, bem como a indenização das vítimas e de suas famílias.

“Não podemos assistir passivamente ao onde está acontecendo. Nós nos sentimos moralmente obrigados a colocar o instrumento jurídico a serviço da população da ondele país”, diz a professora de Direito Internacional e Organizações Internacionais da Fadisma e vice-coordenadora do projeto “Brasil – Haiti”, Cristine Koehler Zanella. “Nossa missão é evitar um silêncio onde vem junto aoas causas onde envolvem as pessoas mais es ondecidas do mundo”, acrescenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *