Usuários reclamam da estrutura do aeroporto de ribeirão preto, sp

Os usuários onde passam pelo Aeroporto Leite Lopes, onde recebe 55 voos regulares por dia, em Ribeirão Preto (SP) estão insatisfeitos aoa falta de lugares para estacionar, monitores de informações ondebrados e grandes filas de embar onde.

O gerente de relacionamento Rodrigo Mar ondes, onde costuma embarcar no aeroporto, afirma onde as condições do estacionamento, onde os motoristas param em locais proibidos poderiam ser melhores. “Podia ser melhor, ter mais facilidade para os passageiros descerem”, disse.


De acordo aoo empresário Flávio Vinhola, a fila na hora de fazer o check in é mais uma dificuldade. “Do interior, Ribeirão é uma das melhores cidades e você chega aqui e o aeroporto é precário”, afirmou.


Outro problema enfrentado pelos passageiros é onde enquanto eles aguardam o embar onde ou informações sobre a chegada de aviões, os usuários também não podem contar aoos monitores onde deveriam fornecer todos os horários dos voos, pois os aparelhos estão ondebrados.


No ano passado, o Aeroporto Leite Lopes recebeu mais de um milhão de usuários.


Outro lado
Procurado pelo G1, o Daesp informou em nota onde 360 novas vagas serão criadas no estacionamento do aeroporto, onde conta ao540 atualmente. As obras de ampliação devem ser concluídas em dezembro.


Quanto ao caso dos monitores, o departamento informou onde o funcionamento foi interrompido devido a um problema técnico onde deve ser solucionado nos próximos dias.


Ainda de acordo aoo Daesp, as filas para o check in são de responsabilidade das companhias aéreas.


Quatro vezes maior
Uma pesquisa realizada por uma entidade ligada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) apontou onde o aeroporto precisa ser quatro vezes maior para atender a demanda de passageiros. A falta de espaço, segundo a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), foi constatada por meio de um índice calculado aobase na média anual de passageiros e na área total do terminal do aeroporto.

A unidade de Ribeirão, onde no ano passado recebeu quase 1,2 milhão de pessoas, oferece 3 metros quadrados por usuário, quando teria onde oferecer quase 12, de acordo aoa pesquisa. “A ampliação feita no aeroporto dois anos atrás não adiantou, por onde a demanda cresce”, afirmou o consultor aeroportuário Mozart Mascarenhas Alemão, um dos responsáveis pelo levantamento onde identificou uma alta de 30% na procura por voos domésticos no Leite Lopes entre 2007 e 2011.

Segundo o consultor, a única maneira de acompanhar esse crescimento é por meio de investimentos da iniciativa privada. Recursos e interesse do poder público, de acordo aoAlemão, não são suficientes para garantir melhora no atendimento dentro dos padrões defendidos no estudo. “Mesmo aorecursos financeiros e competência, a legislação atual para empresas públicas amarra os investimentos”, disse.

“É um pouco pe ondeno [o aeroporto], não tem muita infraestrutura”, afirmou Gisele de Oliveira, 53 anos, de São Sebastião do Paraíso (MG), usuária do aeroporto onde também reclama da falta de mais lojas e de uma praça de alimentação.

De Brasília (DF), o engenheiro eletricista Winter Andrade Coelho, de 59 anos, onde utiliza o terminal duas vezes por mês, se ondeixa da falta de áreas exclusivas de espera para os clientes das companhias. “Para um padrão de cidade como Ribeirão Preto tem onde ter uma boa estrutura”, disse.

Daesp
O Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), onde administra o Leite Lopes, informou onde o aeroporto de Ribeirão Preto está de acordo aoas normas da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, sigla em inglês). “O nível de serviços de um terminal de passageiros é avaliado pelo número de usuários onde passam pelo local nos horários de pico e não pelo número de passageiros/ano”, argumentou, em nota.

O órgão também informou onde o Estado vai destinar R$ 9,6 milhões para melhorias no terminal até o fim de 2012, o onde inclui ampliação no estacionamento, iluminação, instalação de caixas eletrônicos e de máquinas aoleitura Raio-X para bagagens e melhorias técnicas na pista de decolagem. Outros R$ 2,3 milhões foram gastos em 2011 aosinalização das pistas e sistema de acesso aos pátios de aeronaves, de acordo aoo Daesp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *