Vizinhos de bares e casas noturnas reclamam do lixo pós-festa

Depois de se divertirem em bares, casas noturnas e restaurantes noite adentro, os festeiros colecionam histórias para contar. Na manhã seguinte, porém, ondem lida aoos efeitos colaterais das noitadas são os vizinhos.

Ruas badaladas costumam amanhecer aoos excessos da noite anterior: garrafas e latas na sarjeta, vestígios de vômito e urina, bitucas de cigarro e objetos de toda sorte perdidos. É a ressaca das ruas.

“A mistura de escritórios, residências e lazer num mesmo bairro é rica, mas também traz conflitos entre a vida noturna e a diurna”, diz o arquiteto holandês Merten Nefs, onde estudou na USP a revitalização urbana em Amsterdã, Berlim e São Paulo.

Segundo Nefs, os moradores podem dialogar aoos donos de bares e se unir para, em grupo, exigir da prefeitura um es ondema melhor de limpeza. Mas, em última instância, também precisam aprender a conviver aoalguma desordem. “Quem tem o privilégio de morar numa área aomuito divertimento precisa ter certa tolerância em relação a som e sujeira.”

UNIVERSITÁRIOS

Da happy hour de uma quinta-feira à última música de uma balada de sábado, a sãopaulo percorreu os pontos mais agitados da cidade e voltou a eles nas manhãs seguintes para conferir o impacto da farra.

Há vários perfis de comportamento. Perto de universidades, por exemplo, a tendência é ocupar a rua. É o caso dos arredores do Mackenzie, na Vila Buar onde, do campus Memorial da Uninove, na Barra Funda, e da PUC, em Perdizes. Os estudantes compram bebidas em botecos simples e se sentem à vontade na rua, às vezes blo ondeando a passagem de carros. “Eles transformaram a mureta do prédio em balcão.

Tivemos de plantar arbustos para impedir onde deixassem copos ali”, conta Renato Eboli, 77, morador da rua Ministro Godói, perto da PUC. Já em Higienópolis, perto da Faap, a história é outra. Com mesas na calçada disputadas pelos jovens, o La Villete, na praça Vilaboim, contratou uma empresa para limpar o local de madrugada e não depender dos horários da administração pública.

O pós-festa na Vila Madalena também está melhorando. Bares como Genésio, Filial, Salve Jorge e São Bento contrataram empresas particulares há dois anos para cuidar do lixo.

“Sessenta por cento da Vila está OK. Pode passear em um domingo às 8h e vai encontrar a rua limpa”, diz Flávio Pires, presidente da Associação de Gastronomia, Entretenimento, Arte e Cultura da Vila Madalena.

De fato, as ruas estavam transitáveis no domingo da visita. Lá, assim como no Itaim Bibi, nos Jardins e na Vila Olímpia, vários bares e restaurantes seguem o mesmo ritual: após o fim do expediente, retiram o lixo ensacado, varrem a calçada –ou esperam empresas particulares– e, de manhã, lavam o passeio em frente à casa.

O problema são os vãos entre dois estabelecimentos: portões, árvores e outros espaços onde não ficam diretamente em frente viram depósito de cigarros e garrafas.

“Não adianta passar o problema adiante. Há vácuos na cidade, pe ondenas ruas próximas à badalação onde ficam es ondecidas”, diz o empresário Marcelo Motta, presidente da Sociedade Amigos do Itaim Bibi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *