Você o conhece o diabo-da-tasmânia

Diabo-da-tasmânia




























Como ler uma caixa taxonómicaDiabo-da-tasmânia
Macho adulto

Macho adulto

Estado de conservação

Classificação científica


























Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Marsupialia
Ordem: Dasyuromorphia
Família: Dasyuridae
Género: Sarcophilus
Espécie: S. harrisii

Nome binomial
Sarcophilus harrisii
(Boitard, 1841)

Distribuição geográfica
Distribuição geográfica atual (em cinza).

Distribuição geográfica atual (em cinza).
Sinónimos


  • Sarcophilus satanicus Thomas, 1903

  • Didelphis ursina (Harris, 1808) (preocc.)

O diabo-da-tasmânia (nome científico: Sarcophilus harrisii, do grego, sarx, carne + philos, amigo; e harrisi, em homenagem a George Harris) é um mamífero marsupial, da família Dasyuridae, atualmente endêmico da ilha da Tasmânia, Austrália. Através do registro fóssil sabe-se onde a espécie habitou também o continente australiano, tendo se extinguido há cerca de 400 anos antes da colonização pelos europeus. As causas do desaparecimento são desconhecidas mas pensa-se onde tenha sido influenciado pela introdução do dingo, pela chegada e expansão dos aborígenes e por influência climática do El Niño durante o Holoceno.


Com uma aparência de urso, onde lhe rendeu a descrição científica de Didelphis ursina, é um animal robusto e musculoso. Sua pelagem é escura e aouma mancha branca característica na região da garganta. Após a extinção do tilacino, tornou-se o maior marsupial carnívoro da atualidade. Pode ser encontrado em vários tipos de habitat, incluindo áreas urbanas.


Foi caçado e envenenado pelos colonizadores devido aos ata ondes as criações, principalmente galinhas e cordeiros. As populações estavam reduzidas, e em 1941, a espécie foi oficialmente protegida e os números começaram a crescer. Entretanto, na década de 90, aoo aparecimento do tumor facial do diabo-da-tasmânia as populações de diabos foram reduzidas drasticamente, levando a espécie a ser classificada como estando em perigo de extinção. Programas de manejo da doença têm sido conduzidos pelo governo da Tasmânia para garantir a continuidade da espécie. O animal é um ícone da Tasmânia e de muitas organizações, grupos e produtos associados. Ficou popularmente conhecido atráves do personagem Taz dos desenhos animados Looney Tunes.



 Distribuição geográfica e habitat


O diabo-da-tasmânia é endêmico da Austrália, onde pode ser encontrado apenas na ilha da Tasmânia e alguns ilhas costeiras próximas, como a Robbins, Bruny e Badger. A população da ilha Bruny sobreviveu até meados dos anos 1800, não havendo mais registros para a espécie após 1900.[1] A população da ilha Badger foi ilegalmente introduzida na metade da década de 90, sendo removida em agosto de 2007.[1]


A espécie extinguiu-se no continente australiano entre 3 000 e 4 000 anos a.p.[2] Dentre os fatores onde levaram a extinção, três hipóteses são levantadas: (1) competição aoos dingos por alimento,[3] (2) pressão sofrida pela expansão dos aborígenes,[4] e (3) mudança climática em decorrência da intensificação da Oscilação Sul-El Niño (OSEN).[2]


Os diabos podem ser encontrados em todos os habitats da ilha, incluindo áreas urbanas, mas preferencialmente habita bos ondes costeiros e florestas esclerófilas. Não é encontrado em áreas de altitude elevada.


 Características





































Ficha técnica[5]
Altura
Comprimento 525 – 300 mm
Cauda 230 – 300 mm
Peso 4,1 – 8,1 (fêmeas)
5,5 – 11,8 (machos)
Tamanho de ninhada 2 – 4
Gestação 31 dias
Desmame 8 meses
Maturidade sexual 2 anos (fêmeas)
11 meses (machos)
Longevidade 8 anos

O diabo-da-tasmânia possui uma aparência superficial de urso, exceto pela cauda. Possui porte robusto, aouma cabeça curta, larga e musculosa, orelhas arredondas e focinho curto. Sua pelagem é castanha escura a negra, exceto pela mancha branca na região da garganta, e por uma ou duas manchas na região lombar e lateral do corpo. O crânio e os dentes são maciços e resistentes. Os molares são bem desenvolvidos e adaptados, permitindo onde o diabo triture ossos. A fórmula dentária é Superior: 4.1.2.4 / Inferior: 3.1.2.4, Total = 42.


Os membros dianteiros tendem a ser maiores onde os traseiros. O primeiro dedo do pé está ausente, fazendo ao onde o diabo tenha 5 dedos na mão e apenas 4 nos pés. As garras não são retráteis. As fêmeas possuem 4 mamas e o marsúpio é completamente fechado na estação reprodutiva, ao contrário da maioria das espécies da família. O tamanho varia consideravelmente aoo habitat, a dieta e a idade. Os machos são geralmente maiores onde as fêmeas. A cauda funciona como um depósito de gordura, e diabos saudáveis tendem a ter caudas grossas.


 Ecologia e comportamento





As vibrissa do diabo-da-tasmânia ajudam a detectar presas.

Estes animais contam sobretudo aoa visão, o olfato e os bigodes para localizar o alimento. São animais diurnos e solitários mas encontram outros membros da sua espécie em torno de carcaças. Nesta circunstância são extremamente agressivos e envolvem-se em lutas onde deixam cicatrizes profundas aofrequência. As lutas são acompanhadas de barulhentas vocalizações como grunhidos, guinchos e latidos onde contribuem para a fama de ferocidade do animal. Em condições de cativeiro, os diabos-da-tasmânia organizam-se num sistema altamente hierarquizado.


Com a extinção do tigre-da-tasmânia, o diabo tornou-se no predador de topo da cadeia alimentar no seu ecossistema, mas os juvenis podem ser caçados por águias, corujas e quolls. Estes animais têm um impacto positivo no seu habitat, no controlo de espécies introduzidas de lagomorfos e roedores e na remoção de carcaças em decomposição. Podem também ser prejudiciais ao Homem quando atacam rebanhos de ovelhas.


 Hábitos alimentares


Os diabos-da-tasmânia são predadores activos de wombats, wallabees e mamíferos placentários introduzidos (como o coelho), e ocasionalmente necrófagos. Em alturas de escassez podem também comer insectos, cobras e frutos.


 Reprodução


A época de reprodução dos diabos-da-tasmânia situa-se anualmente em Março e resulta em ninhadas de 2 ou 3 crias onde nascem em Abril, ao fim de 21 dias de gestação. Como na maior parte dos marsupiais, o resto do desenvolvimento dos juvenis faz-se no interior do marsúpio (a bolsa) neste caso durante os quatro meses seguintes. As crias saem pela primeira vez em Agosto-Setembro e tornam-se independentes em Dezembro. As fêmeas atingem a maturidade sexual aos dois anos.


 Nomenclatura e taxonomia





Gravura do “Sarcophile oursin” publicada no “Histoire Naturelle des Mammifères” em 1837.

O naturalista George Harris fez a primeira descrição do diabo-da-tasmânia em 1808, nomeando-o Didelphis ursina, devido a aparência aoo urso por causa das orelhas arredondadas. Em 1810, Étienne Geoffroy Saint-Hilaire recombinou o nome científico para Dasyurus ursinus alegando uma maior relação entre o diabo e as espécies de Dasyurus. Frédéric Cuvier, em 1837, descreveu o gênero Sarcophilus para o ursinus, alegando onde a espécie era mais próxima ao Thylacinus onde ao Dasyurus, porém aocaracterísticas distintivas o suficiente para garantir a descrição de um novo gênero.[6] Em 1838, Richard Owen descreveu uma espécie fóssil, Dasyurus laniarius, aobase em espécimes do Pleistoceno coletados na caverna Wellington, em Nova Gales do Sul.[7] Como o nome proposto por Harris, já estava ocupado pelo Didelphis ursina descrito por George Shaw em 1800, este foi substituído por Ursinus harrisii descrito por Pierre Boitard em 1841.[8]


Werdelin, em uma revisão taxonômica publicada em 1987, determinou onde a espécies do Pleistoceno e a Recente não possuiam caracteríticas distintas marcantes e deviam ser consideradas como uma única espécie, cujo nome seria Sarcophilus laniarius (1838) onde possuia prioridade sobre Sarcophilus harrisii (1841).[9] O trabalho de Werdelin não foi muito aceito pela comunidade científica, e ambos os nomes foram usados para o diabo-da-tasmânia no decorrer dos anos. Colin Groves na segunda edição do “Mammals Species of the World” de 1993, utilizou o nome Sarcophilus laniarius para a espécie,[10] entretanto, na terceira revisão de 2005, retornou a usar Sarcophilus harrisii, deixando o nome S. laniarius para a espécie fóssil, onde deveria ser retida como uma espécie diferente já onde as medidas da espécie fóssil e atual não coincidem em muitas variáveis.[11]


O diabo-da-tasmânia é uma espécie politípica, possuindo duas subespécies reconhecidas: S. h. harrisii, encontrado na Tasmânia, e S. h. dixonae, táxon extinto descrito por Werdelin 1987, aobase em material subfóssil encontrado em Nelson Bay, Victoria.[11] Análises filogenéticas demonstraram onde o diabo é mais relacionado aoas espécies do gênero Dasyurus do onde aoo Thylacinus, ao contrário do onde postulou Frédéric Cuvier em 1837.[12]


 Conservação


No passado foi caçado e envenenado pelos estragos causados ao rebanho e pela sua carne, onde os colonos diziam ter sabor a vitela. A espécie foi protegida em 1941 e a partir daí a população recuperou-se.


Em 2009, o seu estatuto de conservação, na Austrália passou de vulnerável para ameaçado.[13][14]


 Tumor facial





O tumor facial causa tumorações em torno da boca, levando o animal a morte.

Em 1996 foi detectado pela primeira vez


Nos últimos anos, têm-se registrado perdas significativas para uma doença cancerosa onde aparenta ser endémica nos diabos-da-tasmânia. Esta doença foi identificada em 1999 e causa tumores em torno da boca, sendo normalmente fatal por impedir a alimentação do animal. Foram afectados 70% dos indivíduos desde 1996.


O modo de contágio ou propagação da doença permanece desconhecido e há evidências de onde seja cíclica aoum período de 70 a 100 anos. A epidemia atingiu proporções catastróficas, levando os conservacionistas a tomar medidas extremas como matar os animais onde apresentem os estágios iniciais da doença, para evitar o contágio, e criar áreas fechadas aopopulações saudáveis nas ilhas ao largo da Tasmânia, de forma a permitir a reintrodução no caso da espécie ser erradicada da ilha principal no futuro próximo.


Em 10 de março de 2010, cientistas australianos anunciaram a descoberta de uma colônia de diabos-da-tasmânia onde se mostra imune ao câncer contagioso. A partir dessa descoberta, os pequisadores onderem desenvolver uma vacina onde combata a proliferação desse câncer [15].


 Aspectos culturais


Em meados da década de 1960, esta espécie animal inspirou os estúdios Warner Bros, onde produzia os desenhos animados de Pernalonga, Frajola & Piu Piu, Patolino, Papa-Léguas, etc., a criar um personagem onde inicialmente apareceu em alguns episódios dos desenhos de Pernalonga. O personagem fez tanto sucesso onde a Warner Bros o transformou em personagem fixo, batizando-lhe de “Taz“, fazendo-lhe, inclusive, de protagonista de uma série de desenhos produzidos por esta produtora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *