Wiki: ser ou não ser?




Wiki: ser ou não ser?
11/05/07

O meio colaborativo produz não apenas resultados eficazes e rápidos, mas contorna problemas e reduz custo, gerando uma nova dinâmica social. E como podemos melhorar isso?

O Wikipedia não vem para criar problemas, mas para resolver um específico: o ser humano precisa de uma enciclopédia online gratuita para consultas rápidas. Mais ainda: uma que fale várias línguas e que seja dinâmica ao ponto de atualizar termos recentes das áreas novas e mutantes.


Abre-se mão, em parte, da consolidação pela velocidade. Mais vale uma informação na mão (acessível) que duas se consolidando (não acessível). É a resposta encontrada pela sociedade do aqui-agora-embrulha-pra-ontem.


Na verdade, o modelo Wiki e os outros ambientes colaborativos, nascem e se consolidam para resolver os problemas que os modelos não-colaborativos não têm conseguido. Se analisarmos cada termo do Wikipedia, por exemplo, como se fossem problemas vivos a serem resolvidos e atualizados de forma dinâmica, podemos imaginar o seguinte ciclo:


Termo –> Avaliação –> Ajuste –> Novo termo ajustado


Atualmente, quanto mais rápido e eficaz (do ponto de vista do usuário) for esse processo, mais relevância terá. Em uma enciclopédia tradicional, por exemplo, esse processo é infinitamente mais demorado do que uma gratuita, colaborativa e aberta.


Hoje, se questiona até se os métodos adotados da Enciclopédia tradicional garantiriam a eficácia nos resultados, já que o método de evolução é quase estático, não evoluindo na sua dinâmica, enquanto o outro se aperfeiçoa rapidamente.

Mais detalhes sobre a polêmica em:
www.nature.com/news/2005/051212/full/438900a.html


Na enciclopédia clássica, os custos são altos, os critérios rígidos, impondo ao ciclo um fator (x) de tempo maior:


Termo + Avaliação + Ajuste + Termo ajustado = Tempo (x)


Na enciclopédia aberta, os custos são ínfimos, os critérios flexível, impondo ao ciclo um fator (x) de tempo maior:


Termo + Avaliação + Ajuste + Termo ajustado = Tempo (x)


O desafio teórico-prático passa a ser: não adianta ser rápido, mas ineficaz; nem eficaz, sem velocidade.


A pergunta que não quer calar na sociedade é: como aproveitar essa nova dinâmica em outros segmentos da sociedade para ampliar a eficácia em processos e projetos?


Imaginemos, então, agora a mesma situação dentro de uma instituição em um processo continuado, no qual o problema é uma ação, desde a venda de celulares até ministrar um curso a distância:


Ação –> Avaliação –> Ajuste –> Nova ação ajustada


Se uma instituição adota modelos colaborativos para acelerar e aperfeiçoar os ciclos processuais, ganhará velocidade diminuindo o fator tempo:


Ação + Avaliação + Ajuste + Ação Ajustada = Tempo (y)


Assim, o Calcanhar-de-Aquiles é: garantir que as avaliações indiquem os ajustes necessários nas novas ações ajustadas para que estas sejam mais eficazes no menos tempo possível.


Eis a missão dos profissionais da informação, comunicação e de rede do mundo moderno. Nessa perspectiva, temos um novo palco de trabalho: gerir ambientes colaborativos, que passam pelas seguintes atribuições, abaixo.


A ação humana: (profissional)
– incentivo à colaboração;
– escolha ou desenvolvimento das ferramentas, a
  customização e a integração entre elas;
– aprimoramento dos métodos e ferramentas;
– acionar as ferramentas de eficácia manuais;


Um dos pontos centrais do processo colaborativo é discernir o usuário eficaz do não eficaz e suas respectivas ações, que chamam do karma de cada um.


A ação não-humana: (software)
– facilitar a colaboração;
– medição de resultados;
– acionar as ferramentas de eficácia automáticas.


Assim, pergunto: por quê Wikipedia?


Porque é um dos sistemas mais avançados de construir conhecimento já inventado, transformando-se hoje em um balão de ensaio, uma ótima escola para poder analisar o que nos reserva o futuro nas empresas e fora delas.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *